Perguntem a Sarah Gross

Perguntem a Sarah Gross Em Kimberly Parker uma jovem professora de Literatura atravessa os Estados Unidos para ir ensinar no col gio mais elitista da Nova Inglaterra dirigido por uma mulher carism tica e misteriosa

  • Title: Perguntem a Sarah Gross
  • Author: João Pinto Coelho
  • ISBN: 9789722057103
  • Page: 232
  • Format: Paperback
  • Em 1968, Kimberly Parker, uma jovem professora de Literatura, atravessa os Estados Unidos para ir ensinar no col gio mais elitista da Nova Inglaterra, dirigido por uma mulher carism tica e misteriosa chamada Sarah Gross Foge de um segredo terr vel e procura em St Oswald s a paz poss vel com a companhia da exuberante Miranda, o encanto e a sensibilidade de Clement e sobreEm 1968, Kimberly Parker, uma jovem professora de Literatura, atravessa os Estados Unidos para ir ensinar no col gio mais elitista da Nova Inglaterra, dirigido por uma mulher carism tica e misteriosa chamada Sarah Gross Foge de um segredo terr vel e procura em St Oswald s a paz poss vel com a companhia da exuberante Miranda, o encanto e a sensibilidade de Clement e sobretudo a cumplicidade de Sarah Mas a verdade persegue Kimberly at ali e, no dia em que toma a decis o que a poderia salvar, uma trag dia abala inesperadamente a institui o centen ria, abrindo as portas a um passado avassalador.Nos corredores da universidade ou no apertado gueto de Crac via sombra dos choupos de Birkenau ou pelas ruas de Auschwitz quando ainda era uma cidade feliz, Kimberly mergulha numa hist ria brutal de dor e sobreviv ncia para a qual ningu m a preparou.Rigoroso, imaginativo e profundamente cinematogr fico, com di logos magistrais e personagens inesquec veis, Perguntem a Sarah Gross um romance trepidante que nos d a conhecer a cidade que se tornou o mais famoso campo de exterm nio da Hist ria A obra foi finalista do pr mio LeYa em 2014.

    Os Loucos da Rua Mazur, Joo Pinto Coelho Livro Bertrand Depois do surpreendente Perguntem a Sarah Gross, estamos perante uma obra admirvel, onde a fico se confunde com a realidade de uma forma indecifrvel, comovente e apaixonante. Mudanas Planetria Alertas luzdegaia Mensagens atualizadas sobre as mudanas que esto ocorrendo devido a ascenso planetria O tempo entre os meus livros Com uma escrita algo potica este um livro perfeito para quem quer tomar conhecimento de uma histria de uma forma suave e delicada, mesmo que por vezes ela, a histria, tenha contornos de uma certa violncia e agressividade. MENSAGEM SEMANAL DE HILARION DE DE AGOSTO A DE BEM VINDO Pequena contribuio para todos que esto, como eu, trilhando o caminho de volta para Casa para dentro de si mesmo Meu objetivo aqui compartilhar mensagens que encontro na net, ou que me so enviadas por amigos, que ajudem na compreenso de vrias Um jeito manso Lacoste Lebuis and Plante Husaruk s short documentary, The Botanist, is an elegant, meditative portrait of Ramberdi, his culture, and his life s work. Marcador de Livros Este mistrio fez me viajar entre os livros de Agatha Christie Quem nunca leu um mistrio da rainha do crime em que dentro de uma casa algum assassinado e o homicida ter de ser um dos convivas que estava presente isso mesmo que se passar a partir daqui. Cafezinho no WC, com Wellington Calasans O Cafezinho Ana Tomazini de agosto de s h Meninas Hoje, apago feminino um movimento para mostrar como ser o mundo sem mulheres Durante todo o dia Sua foto de perfil deve ser apenas um quadrado preto para que os homens se perguntem onde as mulheres esto. LEYA Novidades Editoriais Os Dias do Avesso, Eduardo S e Isabel Stilwell Livros d Hoje Este trabalho resulta de cinco anos ininterruptos na rdio, conversando, em quatro minutos, sobre a espuma dos dias. O Que URL putsgrilo Esse post para ajudar os vrios internautas que entram aqui, pegam nossas dicas, mas acabam se atrapalhando quando tem que digitar alguma URL. Nenhum ateu pode ser bom sem Deus Na Mira da Verdade Nenhum ateu pode ser bom sem Deus Ao ler o ttulo deste artigo voc pode estar pensando que sou mais um fundamentalista religioso que defende o cristianismo com unhas e dentes , e que no tem a mente aberta para outra viso de mundo que no seja o cristianismo.

    • [PDF] ✓ Unlimited ☆ Perguntem a Sarah Gross : by João Pinto Coelho ✓
      232 João Pinto Coelho
    • thumbnail Title: [PDF] ✓ Unlimited ☆ Perguntem a Sarah Gross : by João Pinto Coelho ✓
      Posted by:João Pinto Coelho
      Published :2018-09-09T12:10:58+00:00

    1 thought on “Perguntem a Sarah Gross”

    1. Não me lembro de nenhum outro livro de um autor português que tivesse causado tanto burburinho em tão pouco tempo como este "Perguntem a Sarah Gross". E se não arrecadou o primeiro lugar no Prémio Leya, o público atribuiu-lho por unanimidade. Não me parece haver nada a acrescentar aos rasgados elogios testemunhados, dentro e fora do . Faço coro com todos os que exaltaram a fidelidade histórica dos acontecimentos narrados e que servem de pano de fundo ao lado ficcional, a qualidade da es [...]

    2. Não vou dizer muito sobre “Sarah Gross”, pois, por vezes, os silêncios dizem mais do que as palavras. E, também, porque creio ser preferível que cada leitor entre neste livro de olhos fechados e se deixe levar de surpresa em surpresa, de emoção em emoção. Leiam este livro! Aprendam com ele. Encantem-se com a prosa envolvente e irrepreensível; com a história belíssima, embora muito triste; e com as maravilhosas e inesquecíveis personagens.(Até as páginas finais de agradecimentos [...]

    3. Eu achava que já se tinha escrito tudo sobre Auschwitz. Bom, escreveu-se quase tudo. Faltava este livro. Comecei a ler sem investigar a fundo sobre ele. Sabia que valeria a pena mas não estava preparada para o que aconteceu a seguir. A escrita é simples, cinematográfica, nada rebuscada, nada desnecessariamente complexa. Começamos a ler e damos connosco em Shelton e damos connosco em Oshpitzin e damos connosco sentados ao lado daquelas personagens todas. Aquelas pessoas existem, são reais, [...]

    4. Finalmente consegui escrever algo sobre este livro. Não está perfeito, mas com sorte é o suficiente para vos convencer a lê-lo.Volto a repetir, por que sou chatérrima: Leiam-no!p-encadernadas/201

    5. “A Segunda Guerra fascina-me porque condensa tudo o que há de pior e de melhor na humanidade. É a tragédia das tragédias, a maior epopeia da História, o romance infinito, um reservatório de histórias terríveis, patéticas, esplêndidas, heróicas, que parece não se esgotar nunca. É mais forte que a Ilídia, mais forte que Ésquilo, mais forte que tudo. É o terror e a piedade, e para mais é tudo verdade”. Laurent Binet in HHhH Operação Antropóide (Sextante Editora). Considero p [...]

    6. “Nunca mais esquecerei este silêncio nocturno que me privou, para a eternidade, do desejo de viver.” Elie Wiesel, "Noite"

    7. Quando nos apaixonámos por um livro sentimos muito mais responsabilidade no comentário que nos sugere e o nosso maior receio é defraudá-lo. O defeito será inteiramente meu se não se sentirem compelidos em lê-lo.Diálogos inteligentes, textos pertinentes, um livro contido, superficialidades e corriqueirices à parte, tudo é revelado com intensidade, com verdade. Um livro impactante, precioso. Uma capacidade descritiva emocionante que nos leva ao seu encontro, estamos lá, assistimos e sof [...]

    8. Logo que li a sinopse de "Perguntem a Sarah Gross" que decidi que tinha que ler este livro. Não o consegui comprar logo, mas mais cedo ou mais tarde ele veio parar à minha estante e, logo que chegou, da estante saltou para as minhas mãos, pois então. Muito se tem falado deste "Perguntem a Sarah Gross". De facto, estava curiosa para saber se tantas opiniões favoráveis tinham fundamento. Daí ter partido com expectativas demasiado altas em relação ao livro, o que nem sempre é bom. A desil [...]

    9. Este livro foi, sem dúvida, a maior surpresa que tive nos últimos tempos. Li muitas opiniões, mas nada me prepararia para o misto de emoções que senti ao longo desta leitura. Primeiro explico que nunca tinha lido nada acerca do tema, foi uma estreia e que estreia. Depois digo que esta leitura está totalmente fora da minha zona de conforto, não costumo ler nada do género e, devido a isso, andei a adiar pegar nele. Não sei se fiz mal, mas senti que foi a altura certa.Acabei o livro com um [...]

    10. Na maioria das ocasiões, vou alinhavando ideias ao longo da leitura e depois, quando chega a altura de escrever a minha opinião, trato de juntar as peças e tentar montar o puzzle. Mas, por vezes, acabo um livro e não faço ideia do que vou escrever sobre ele. Estou desde ontem, quando terminei Perguntem a Sarah Gross, a tentar perceber como explicar o que este livro me trouxe, o que me acrescentou enquanto leitora. E mesmo agora, quando começo a conseguir juntar umas palavras a seguir às o [...]

    11. Decepcionante…SPOILER ALERTA escrita é muito boa, numa palavra, eficiente, mas a história ou as histórias são fracas, demasiado previsíveis.Nas primeiras duzentas páginas a narrativa arrasta-se desnecessariamente, demasiado repetitiva, destacando-se apenas algumas sequências: a temática do segregacionismo racial, o diálogo entre Clement e Kimberky, na biblioteca a verem o Pinus strobus, a leitura por parte do Dylan Hightower do texto referente ao TPC, o diálogo entre a Kimberly e o p [...]

    12. A minha opinião em vídeo: youtube/watch?v=9rx6HMais um livro sobre o Holocausto mas que não foca apenas isso. Infelizmente, a meu ver, é quase no que se foca menos, mas lá está, o autor teve esta intenção.Extremamente bem escrito, com imensa investigação. É um livro muito bem construído.

    13. Dizer que gostei imenso é pouco. Adorei, apesar de ser o tema que é. Aliás, dizer que gostamos de um relato sobre o holocausto é quase uma heresia. Mas a verdade é que a história e os factos que nos são dados a conhecer através deste livro, obrigam-se a dizer que gostei e muito.O livro conseguiu prender-me logo a partir da primeira página. Não peloo enredo, pelos personagens interessantes, mas pela simplicidade deles. Cativam-nos, cada uma à sua maneira. Sarah Gross, directora de um c [...]

    14. Muito já foi dito sobre este livro, de maneira que, nem que quisesse tentar, não saberia o que dizer.As palavras não me assistem ao tentar descrever o efeito que este livro teve em mim.É um livro maravilhosamente bem escrito, com uma história cativante e comovente, que nos arrasta, página após página, através da vida de duas personagens extremamente interessantes.Não percebo como é que este livro foi simplesmente "finalista do prémio Leya" e não vencedor com louvores máximos. É pa [...]

    15. Já muito se escreveu acerca deste tema, mas há livros que continuam a surpreender-nos."Perguntem a Sarah Gross" é muito mais do que um relato sobre o holocausto. É a história de duas mulheres fenomenais que tentam, cada uma à sua maneira, expiar os seus segredos mais profundos é o relembrar de que Auschwitz nem sempre foi o inferno pelo qual hoje é recordado, e até o detalhe de "Oshpitzin" traz de volta a identidade perdida é um relato da Polónia nas décadas de 30-40, com base em fac [...]

    16. Cansada de leituras um tanto frustrantes, iniciei o Perguntem à Sarah Gross. Cativou-me do início ao fim. Sabe-se lá porquê mas gosto de ler livros que focam a temática da II Guerra Mundial, este porém é muito mais do que isso.É um misto de sentimentos. Raiva, impotência, tristeza, alegria,amizade, amor incondicional e haveria muito mais adjectivos para nomear.Confesso que após o ter terminado fiquei desmoralizada, os que possa ler a seguir vão-me deixar um vazio.Parabéns ao jovem es [...]

    17. Estava com um certo receio de ler este livro, porque, com tantas críticas tão favoráveis e tanto empolgamento à sua volta, as expectativas eram naturalmente elevadas, situação que já me proporcionou umas valentes desilusões literárias. Claramente, não foi este o caso. “Perguntem a Sarah Gross” merece todos os elogios que lhe têm sido dedicados. É um romance que nos reconduz aos horrores do Holocausto, mas não só. É também uma história que nos fala de momentos felizes, de amo [...]

    18. What can I say about Sarah Gross?This is a jewel of a book! Extremely touching, yet very serene in its construction of the plot. It is rigorous in its historical background, characters are larger than life and yet eminently believable, and Kimberley, Sarah, Esther, Henryk, Anna, Max, are archetypes of Humanity itself.The construction of the book is quite clever, and the different registries (past and present, different characters points of view, etc.) are expertly woven to make this an exquisite [...]

    19. Expectativas elevadas, expectativas superadas!Um livro muito bom, com uma carga emocional elevada. Há partes que nos deixam mesmo abalados.Com este livro João Pinto Coelho pode ter sido apenas um finalista do prémio Leya, mas a meu ver foi um verdadeiro vencedor! Está de parabéns!Recomendo vivamente.

    20. Os segredos são algo que queremos que permaneçam fechados num quarto escuro. O mesmo acontece com certas memórias. Quer as memórias, quer os segredos voltam a nós intermitentemente. E, numa certa altura da nossa vida, tivemos medo do escuro. É isto que sinto ao findar a leitura deste livro. Que entrei num quarto escuro, e me limitei a ter a noção que entrava num compartimento habitado por diversos segredos de várias pessoas e que tinha de me pôr à disposição de ouvir o que me tinham [...]

    21. “Perguntem a Sarah Gross” não é apenas uma obra extraordinária, é toda uma experiência marcante, que insiste em permanecer connosco mesmo depois de pousado o livro. Nele encontrei três personagens femininas com personalidades fortes, corajosas e carismáticas: Sarah e Esther, dois exemplos de luta e sobrevivência, que passaram pelas atrocidades do holocausto, e Kimberly, uma jovem professora através de quem temos o privilégio de conhecer a história das outras duas. É um livro que [...]

    22. Uma experiência que nos toca e mexe com o nosso ser, capaz de nos questionar sobre o porquê de estarmos aqui, num livro sem pretensões estilísticas que joga tudo no desenho de um enredo que coze história e puzzle em profundidade e nos obriga a virar páginas sofregamente em busca de respostas.“Perguntem a Sarah Gross” é claramente um livro baseado na vontade de fazer passar uma ideia, uma mensagem, estando assim muito mais focado naquilo que quer contar do que naquilo em que se deve to [...]

    23. É um primeiro romance extraordinário. Pontuado por uma melancolia constante, de grande rigor histórico e linguístico, a que se junta um estilo cinematográfico digno de registo. Poderia sair daqui, assim tal como está descrito nas mais de 400 páginas, um grande filme.

    24. 'Perguntem a Sarah Gross' é um daqueles livros que me fazem arrepender de ter colocado as minhas expectativas tão lá no alto. Embora já tivesse comprado o livro no ano passado, só agora é que chegou a altura de o ler. Este livro estava na lista de leituras do clube literário a que pertenço e saiu como livro a ser discutido em Abril. Eu, que até fui ao lançamento do mesmo na Fnac do Chiado no ano passado, não cabia em mim de contente por finalmente poder meter as minhas mãos e os meus [...]

    25. Aquilo que para mim é mais extraordinário neste livro é a capacidade de construir uma narrativa romanesca a partir das experiências limite (tão fora da ficção como, aliás, da própria não ficção) da vida dos judeus sob o nazismo e dos campos de concentração. Este plano narrativo,que nos é apresentado num crescendo acelerado de intensidade e crueza, como que está resguardado por um outro plano narrativo, ambientado a uma escola norte-americana nos anos 60, que tem de certa maneira [...]

    26. A 2 GG não é uma época que me desperte grande interesse, ou melhor, é uma época que me dá pesadelos! Imaginar a capacidade que o ser humano tem para humilhar e magoar o próximo com uma crueldade profunda é algo que me custa digerir! Pior se tiver em mente que convivo diariamente com gente assimEste livro foi uma leitura à parte incrivelmente bem escrito, com personagens bem construídos e imagens arrepiantes. Mais um excelente livro de um autor português.

    27. Excelente obra que, além de nos trazer uma lição sobre a história europeia e mundial, conta-nos uma história de pessoas, de luta pela sobrevivência, de redenção!Livro que nos mostra a dor e o desespero num momento e a alegria, a vontade de viver, no seguinte!

    28. Já tinha ouvido e visto muitas coisas sobre aquilo que foi Auschwitz Mas este livro retrata toda esta época de uma forma única e de uma forma muito muito forte.De facto, fica-se sem palavras depois de ler este livro e não há mesmo muito que possa dizer para além de dizer que está "extraordinário".A melhor forma de saber mais e de sentir tudo o que foi esta época é mesmo "perguntando a Sarah Gross".Parabéns ao autor João Pinto Coelho.

    29. Um bom livro, a fechar o ano (valham-nos os livros). Embora algumas pontas não me tenham parecido atadas da melhor forma no final, gostei muito da história, e achei a escrita irrepreensível - e é tão bom quando descobrimos um autor desta forma! João Pinto Coelho vai ser, sem dúvida, um autor a revisitar.

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *